14.11.16


Figuras do quotidiano V


Manchester, dois mil e dezasseis.
Uma perda não se ultrapassa, atravessa-se,
cola-se à carne como as coisas à lama.
Aborto espontâneo. Estava novamente grávida,
eram quase vinte semanas,
mas não conseguia contá-lo a ninguém. Já não se perguntava
o que via ou o que não via, o que sentia ou o que não sentia,
mas onde é que isso
(o que tinha e o que não tinha, o que esperava e o que temia)
se acumulava para produzir sangue.
Correria entre as pernas.