25.11.16


Kosher


A fome não tem lei, comeria de tudo.
O sangue, as sobras, o permitido e o proibido.
Preferiria o porco, as ostras, preferiria os frutos
dos primeiros anos,
misturaria quanto conseguisse misturar.
O leite com a carne, a carne com o peixe,
o corpo com o corpo dos gentios.
Nunca ninguém é ímpio o suficiente
para saber ser santo. Aceitaria
um mundo manuseado por outras mãos,
nenhuma mais pura, nenhuma mais impura
do que a impureza de se ser humano.
Tinha os cascos fendidos, mas recusaria
estender a garganta para o sacrifício.
Teria sido inútil.
Depois de aberta, seria rejeitada
porque imprópria para consumo.