9.8.18

Terapia da fala


Não pediria a nenhuma palavra que dissesse o
que ambas ignoravam.
Levantaria a voz, mas
falaria apenas o tempo indispensável
para permitir que alguém a mandasse calar.
Baixaria os olhos
e aceitaria a censura:
nunca ninguém diz nada
que ouvidos surdos não possam ouvir.

(quanto aos que agora exigiam que se calasse,
os mesmos que a aceitavam
enquanto não passava de uma fêmea amável,
a quem aproveitavam para espreitar o decote
e com quem podiam ser benevolentes,
será que se ouviriam a si mesmos?
leriam o que eles próprios escreviam?
conseguiriam não corar de vergonha?)